5 Motivos Para Ler A Trilogia FireBird | Dica De Leitura

Ótimos motivos vindos de outras dimensões para conquistar você.

maio 30, 2020 - Postado Por: Everton Assis
Compartilhe:

Ótimos motivos vindos de outras dimensões para conquistar você.



Com certeza você já deve ter ouvido falar da autora Claudia Gray, principalmente dentro do universo de Star Wars, onde a autora contribuiu para expandir ainda mais esse universo criado por George Lucas.

Hoje quem vai brilhar é a Trilogia FireBird, composta por Mil Pedaços De Você, Dez Mil Céus Sobre Você e Um Milhão De Mundos Com Você, todos publicados no Brasil pela editora Harper Collins Brasil. Vou apresentar 5 ótimos motivos para você se aventurar nessas histórias incríveis criadas por Claudia.

Vou tentar ao máximo não trazer spoilers para quem ainda não leu o primeiro livro ou ainda não deu continuidade a trilogia. Vamos!

Apresento o Multiverso.
O conceito de multiversos não é nenhuma novidade, livros, filmes e séries já trabalharam este conceito, um grande exemplo é o universo dos quadrinhos criados pela DC Comics, aqui já não se dá pra contar nos dedos quantas versões do Superman existem.

Claudia aplica em sua história que os professores Henry e Sophie Caine, pais da protagonista, descobriram que de fato existem outras versões de nossa dimensão e que é possível viajar entre elas, sendo um pouco arriscado, mas ainda sim possível. A grande sacada na trama é que somente a mente (trabalhada como uma forma de energia) da pessoa pode viajar entre essas dimensões, e somente para dimensões em que existam uma versão sua viva.

Claudia vai brincar que duas consciências estão em um mesmo corpo e para a consciência do viajante prevaleça é necessário de lembretes criados com o dispositivo Firebird, como uma caixinha de lembranças que ajudam o viajante a manter-se no poder daquele corpo por um curto tempo.

Romance Sob Medida?
Muito antes da Meg estar totalmente com sangue nos olhos em relação ao Paul (vilão do primeiro livro) e sua busca por vingança, Meg nutria uma paixão por Paul e mesmo querendo respostas, ela não consegue abandonar esse sentimento. Há muitos momentos em que Meg teve a oportunidade de apenas pagar na mesma moeda o que acha que Paul fez com seu pai, mas o amor se torna uma forma de freio para ela e para que reflita melhor sobre as consequências. É certo afirmar que vamos acompanhar o desenrolar desse amor a cada encontro de Meg com Paul no meio dos inúmeros saltos entre as dimensões.

Há quem diga que exista um trisal no meio desse caos de saltos e mais saltos entre dimensões, eu já vejo mais como um desentendimento e não compreensão de sentimentos, isso tudo pela visão da Meg. Mas vou deixar vocês descobrirem ao ler a trilogia. hehe



Protagonista Forte.
Meg pode sim ser considerada uma protagonista forte, pois ela poderia ter tomado inúmeras decisões após saber da morte do pai, a reclusão e a lamentação. Mas sua coragem e determinação de não ficar totalmente abalada com a situação e ir em busca das respostas mostra o quanto ela é forte.

No decorrer dos demais livros, vamos acompanhar o amadurecimento de Meg, assim como a empatia e responsabilidades crescem junto com ela. No último livro da trilogia você encontra uma Meg transformada e madura em alguns aspectos.

Claudia Não Poupa Plot Twists.
Realmente ela não poupou dentro dessa trilogia, o plot inicial e que dá o start da trama é a busca de Meg por respostas e vingança pela morte do seu pai e a traição de Paul. Mas isso é somente a pontinha desse iceBerg, Claudia vai acrescentar mais reviravoltas de deixar sem fôlego e em alguns momentos, umas sacadas ótimas para continuar dando vida a trama.

Não pense que por ter várias reviravoltas, os livros não se tornam maçantes, muito pelo contrário, Claudia até corre em alguns momentos da trama, nada que tire a beleza essa história.

Os Mundos Presentes No Multiverso De Firebird.
Ao longo dos três livros, Meg nós leva a inúmeros lugares dentro do multiverso. Conhecemos uma Londres Futurista com seus habitantes que têm tudo ao tocar um bracelete, uma Australia submersa, uma dimensão que ficou parada no período medieval e até uma estação espacial totalmente funcional. Esses são alguns lugares que Claudia insere em sua história para encantar e dar vitalidade a sua trama.

E vamos de um tópico extra para você que chegou até aqui:



Extra: Claudia Gray.
Possui uma escrita fluida e cativante que prende a sua atenção nas tramas e plots dentro de seus romances. Uma criatividade única para criar boas histórias tanto dentro e fora de Star Wars.

E aqui termino este post de 5 motivos, tão ótimos motivos que estou com um desejo grande para reler toda essa trilogia e acompanhar as aventuras com Meg.

Outros Volumes

Comente com o Facebook