Diário de Leitura: Inferno De Gabriel - Parte 3

O Passado vem para assombrar nossos protagonistas.

abril 25, 2020 - Postado Por: Redação SOODA
Compartilhe:

O Passado vem para assombrar nossos protagonistas.


19/04 a 22/04 – Cap. 19 até Cap. 28

A meta dessa semana foi bem emocionante, o autor colocou mais algumas peças nesse grande quebra-cabeça. Rolou alguns sentimentos como raiva durante a leitura, mas também pude dar algumas risadas.

Antes de iniciar os comentários acerca da meta, quero avisar que haverá spoilers, sugiro que leia o primeiro e o segundo diário de leitura que já foram publicados.

Este post possui termos considerados como gatilho para algumas pessoas / Possui spoilers.

Começamos a leitura com Julia babando pelo Gabriel e cada vez que ela tem mais acesso ao corpo dele, consegue descrevê-lo ainda melhor. Pela Visão de Julia, Gabriel fica em uma linha tênue entre um homem de “corpo perfeito” e uma estátua grega que representa algum semideus, o que achei engraçado.

Então chegamos a esperada palestra de Gabriel sobre “luxuria e Dante” que reuniu diversas pessoas interessadas no que ele tinha a dizer, não foi descrito mas saquei o ego de Gabriel deve ter ido as alturas, fora as crises de ciúmes que ele teve durante a palestra. (Pensando com o coração que achei que não tinha Gabriel?)

Aqui nos deparamos com mais uma pecinha do passado de Gabriel, Singer (Ou professora Agonia), uma mulher que provavelmente deve ter esbarrado com o Christian Gray em alguma festa de dominadores por Toronto. É um grande baque para Julia, descobrir por Singer e mais tarde por Gabriel, que ele tem entre seus fetiches o interesse por BDSM.


É um contraponto na história, Julia tem sua vida moldada por experiências ruins que envolvem violência de pessoas que ela “gostava”, digamos assim. Faz sentido ela não aceitar que outras pessoas possam ter prazer em sentir dor. (Julia, o mundo é muito louco. Solte a mão da humanidade.)

Julia ainda fica balançada com toda essa descoberta mas acaba aceitando as desculpas de Gabriel e fazendo ele prometer a deixar o mundo dos dominadores de lado. (será?)

Um ponto interessante da leitura dessa semana é poder acompanhar os protagonistas em meio a “descoberta do amor”, um amor reciproco no caso. Me lembrou muito de alguns personagens da trama de Delírio, que eu estava lendo em paralelo a está história. Eu sei, eu sei que são duas histórias completamente diferente, mas, é tudo novo o que traz a descoberta de como é amar alguém e se sentir amado.


Vale lembrar que por diversas vezes Gabriel insiste em falar que vai preservar a “pureza” que Julia tem, porque ela não é corrompida como ele, mas na cena seguinte ao diálogo, lá está ele, fazendo o papel do demônio e atentando a mente e mexendo nos hormônios de Julia.

CENAS EMOCIONANTES.
Muitas das travas que Julia possui é decorrência da falta de carinho que não teve na infância, como relatei no segundo diário de leitura. Mas, tudo isso de certo modo foi intensificado pela terrível experiência que passou em um relacionamento abusivo e tóxico que teve na faculdade, perseguindo ela até os dias atuais na trama.

Simon, esse ex-namorado, retorna para abalar novamente Julia. Ele está atrás de algumas fotos e não acredita quando ela diz não possuir nada dele e acaba atacando ela de forma totalmente covarde e doentia. (Nesse momento, eu já estava com o coração na mão) Julia consegue contatar Gabriel e pela primeira vez apoiei o lado explosivo dele e quase manda Simon em uma viajem para abraçar o capeta.


Por muitas vezes Julia se põe em um estado de acreditar que não é merecedora disso ou daquilo por ter tido sua cabeça totalmente arrasada por este relacionamento, e faz uma alusão a “palavras doem mais que tapa na cara”. Que fique como um chamado para todos nós, pense antes de destilar qualquer palavra e guarde seu comentário se não foi solicitado, palavras podem marcar para o resto de uma vida.

Outro ponto a se comentar é a atitude do pai de Julia, ok ele estar nervoso por saber que a filha foi agredida, mas se ele tivesse parado um momento de bancar o herói para outras pessoas e prestado um pouco mais de atenção a filha, teria visto o pedido silencioso de socorro dela, primeiro com a situação com a mãe e depois com esse ex-namorado. (Cuide de quem você ama, “desgrama”.)

Finalizo este diário de leitura com raiva do pai da Julia e a vontade de amassar Simon ainda mais. Estamos indo para a reta final desse primeiro livro e realmente estou curioso para saber que elemento o autor irá usar para dar continuidade a sua série.

Acompanhem o blog nas redes sociais, twitter/instagram/facebook: @SoodaBlog, sempre estamos comentando sobre as nossas leituras atuais. Até semana que vem, bjo.
O Inferno de Gabriel (Gabriel's Inferno)
Autor: Sylvain Reynard
Editora: Arqueiro
Ano: 2013
Skoob: 4.1 estrelas / Goodreads: 4 estrelas
Enigmático e sedutor, Gabriel Emerson é um renomado especialista em Dante. Durante o dia assume a fachada de um rigoroso professor universitário, mas à noite se entrega a uma desinibida vida de prazeres sem limites. O que ninguém sabe é que tanto sua máscara de frieza quanto sua extrema sensualidade na verdade escondem uma alma atormentada pelas feridas do passado. Gabriel se tortura pelos erros que cometeu e acredita que para ele não há mais nenhuma esperança ou chance de se redimir dos pecados. Julia Mitchell é uma jovem doce e inocente que luta para superar os traumas de uma infância difícil, marcada pela negligência dos pais. Quando vai fazer mestrado na Universidade de Toronto, ela sabe que reencontrará alguém importante – um homem que viu apenas uma vez, mas que nunca conseguiu esquecer. Assim que põe os olhos em Julia, Gabriel é tomado por uma estranha sensação de familiaridade, embora não saiba dizer por quê. A inexplicável e profunda conexão que existe entre eles deixa o professor numa situação delicada, que colocará sua carreira em risco e o obrigará a enfrentar os fantasmas dos quais sempre tentou fugir.
Autor: Quase nada foi divulgado sobre a verdadeira identidade do autor por trás do pseudônimo Sylvain Reynard. Sabemos que ele é canadense, já escreveu vários livros de não ficção e tem um profundo interesse pela arte e pela cultura renascentistas. Mas, embora declare ser do gênero masculino, seus fãs têm uma forte suspeita de que na verdade S.R. seja uma mulher. Semifinalista ao prêmio de Melhor Autor e Melhor Livro no Goodreads Choice Awards de 2011, Reynard apoia diversas instituições de caridade e acredita que a literatura ajuda a explorar os diversos aspectos da condição humana, como o sofrimento, o amor e a redenção.

Comente com o Facebook