Diário de Leitura: Inferno De Gabriel - Parte 2

O momento divisor de águas chegou.

abril 18, 2020 - Postado Por: Redação SOODA
Compartilhe:

O momento divisor de águas chegou.

Diário de Leitura; Inferno De Gabriel; resenha; resumo; editora arqueiro; passion flix;

Mais uma meta concluída com sucesso (e um pouco de sufoco) da leitura coletiva de Inferno de Gabriel. Nessa segunda parte da nossa leitura, conseguimos algumas respostas sobre o passado de Julia e Gabriel que foram esclarecedoras para nós leitores e para os próprios personagens é claro.

Mas se você ainda não leu nada sobre Inferno de Gabriel e mesmo assim quer acompanhar nossos diários de leitura, sugiro que retorne ao nosso primeiro post, confira clicando aqui.

Possui spoilers.

Adentramos ao capítulo nove e de cara o autor já coloca Gabriel para esbanjar suas condições financeiras. Rachel retornaria em poucos dias para Filadélfia e queria curtir uma noite com o seu irmão e sua melhor amiga. Com inúmeros lugares em que ele pudesse levá-las, mas resolveu levar a uma boate em que ele é cliente vip, e bastante assíduo, o que deixa Julia um pouco descontente.


Passamos por uma leve crise de ciúmes de Gabriel com Julia, enquanto dá um puxão de orelha nela, ele também aproveita para jogar mais uma vez o seu charme em Julia, porém Gabriel fala algo que tira o fôlego dela, quase um “teto preto”. Assim encerrando a noite.

A partir desse capítulo a relação que envolve nossos protagonistas vai ficar cada vez mais volátil, em um momento estaremos lendo situações amorosas e em outros momentos a raiva sendo cuspida.

Antes de comentar sobre alguns pontos importantes, queria dizer que fiquei na dúvida se Sylvain queria alertar sobre a vida ruim que os alunos de mestrado de Toronto têm ou era só mais um “white people problem” com Julia, afinal se dermos uma visão macro, somente Julia seria a menos provida de dinheiro (por enquanto). Mas fica aí a dúvida.

O capítulo treze (hmmm) é um divisor de águas na trama, Sylvain resolve parar de dar migalhas de informações sobre o passado de nossos protagonistas, agora são informações que trazem clareza acerca das ações que eles tomam agora no presente da trama, claro que certas ações não são justificáveis. (Ouviu Gabriel?)


Em determinada cena, Julia acaba ajudando Gabriel a retornar para casa, depois de quase acabar com o estoque de bebidas da boate (a mesma citada acima). Julia tem o coração bom e cheio de amor por este homem chato e acaba ajudando ele a entrar em casa, se limpar e botar ele pra dormir, sem antes de Gabriel balbuciar entre o sono e a embriaguez o nome “Beatriz”. Isso faz com que Julia acredite que de fato ele se lembrou do dia no pomar. (Sério menina? No auge da embriaguez ele iria lembrar?)

Até eu acreditei que toda essa briga de gato e rato iria chegar ao fim, mas Sylvain joga uma amnésia alcoólica em Gabriel fazendo-o quebrar ainda mais o coração de Julia. Julia apresenta um lado revoltado não visto antes, ignora todas as tentativa de contato de Gabriel e chega a pensar em abandonar tudo e retornar a sua cidade natal.

Sylvain coloca em cheque o seguinte: a certa “submissão” de Julia se dá por não ter uma base familiar segura e amável, ela passou a infância e adolescência ao lado de uma mãe alcoólatra que não lhe deu nenhum amparo e nem mesmo amor, isso é refletido em sua baixa autoestima, ela se desacredita que é capaz de ser importante para alguém e almeja ser amada. Isso fica claro quando ela segura-se nas pequenas ações que Gabriel faz a ela como pagar um jantar, olhar mais demorado a ela e até mesmo a cena em que ele chama ela de Beatriz como fez no dia do primeiro encontro deles. Fora que ela passou por um relacionamento tóxico que ela bloqueia totalmente de falar e pensar.

Já para Gabriel, Sylvain mostra que toda essa explosão e ira que o personagem sente vem também de não ter uma base familiar saudável, em primeiro momento. A sua mãe biológica era alcoólatra e nunca chegou a conhecer de fato seu pai biológico. Por mais que Gabriel tenha sido amparado por uma boa família, a da Rachel, ele estava “quebrado” por dentro, mais tarde se intensificando pelo uso de drogas e o alcoolismo.


E você pode perceber, os dois protagonistas tiveram o seio familiar arruinado pelo alcoolismo, enquanto Julia não seguiu o mesmo caminho, mas teve sequelas em sua confiança. Já Gabriel ao passo que mais se entendia, mais caía no mundo alcoólico como uma válvula de escape. O Doutor Drauzio Varella entrevistou o psiquiatra Ronaldo Laranjeira e o hebiatra Mauricio de Souza Lima sobre o “Alcoolismo na adolescência” não deixe de conferir.

“Ela seria capaz de fazer qualquer coisa por Gabriel, aquele homem com quem havia passado a noite no bosque, se ele lhe desse o menor sinal de que a desejava. Desceria ao inferno e o procuraria até encontrá-lo.” capítulo 10

O trecho acima é um pensamento que Julia tem antes de ficar a par sobre este lado “sombrio” de Gabriel. Eu até esperei que ela fosse aceitar de primeira as desculpas dele após toda a confusão, o que não acontece e ela acaba refletindo mais uma vez, sobre o óbvio, que a paixão que ela nutria não era pelo homem que Gabriel é atualmente, mas que certamente “endeusou” aquilo que projetou sobre ele, assim como acontece na vida real.

Mas o amor é um sentimento forte quando recíproco, e os protagonistas conseguem alinhar seus pensamentos, até o momento. Mas deixo para comentar no próximo diário.

Para encerrar o diário de hoje, posso citar outro ponto negativo em relação ao livro? Sylvain perde um pouco a mão em alguns momentos, com certo exagero ao descrever lugares e inserir diálogos que não acrescentam tanto ao enredo, um exemplo disso é uma cena em que a Julia descreve totalmente o banheiro + closet de Gabriel, o que poderia muito bem ter acontecido de maneira muito mais concisa.

Acompanhem o blog nas redes sociais, twitter/instagram/facebook: @SoodaBlog, sempre estamos comentando sobre as nossas leituras atuais. Até semana que vem, bjo.
O Inferno de Gabriel (Gabriel's Inferno)
Autor: Sylvain Reynard
Editora: Arqueiro
Ano: 2013
Skoob: 4.1 estrelas / Goodreads: 4 estrelas
Enigmático e sedutor, Gabriel Emerson é um renomado especialista em Dante. Durante o dia assume a fachada de um rigoroso professor universitário, mas à noite se entrega a uma desinibida vida de prazeres sem limites. O que ninguém sabe é que tanto sua máscara de frieza quanto sua extrema sensualidade na verdade escondem uma alma atormentada pelas feridas do passado. Gabriel se tortura pelos erros que cometeu e acredita que para ele não há mais nenhuma esperança ou chance de se redimir dos pecados. Julia Mitchell é uma jovem doce e inocente que luta para superar os traumas de uma infância difícil, marcada pela negligência dos pais. Quando vai fazer mestrado na Universidade de Toronto, ela sabe que reencontrará alguém importante – um homem que viu apenas uma vez, mas que nunca conseguiu esquecer. Assim que põe os olhos em Julia, Gabriel é tomado por uma estranha sensação de familiaridade, embora não saiba dizer por quê. A inexplicável e profunda conexão que existe entre eles deixa o professor numa situação delicada, que colocará sua carreira em risco e o obrigará a enfrentar os fantasmas dos quais sempre tentou fugir.
Autor: Quase nada foi divulgado sobre a verdadeira identidade do autor por trás do pseudônimo Sylvain Reynard. Sabemos que ele é canadense, já escreveu vários livros de não ficção e tem um profundo interesse pela arte e pela cultura renascentistas. Mas, embora declare ser do gênero masculino, seus fãs têm uma forte suspeita de que na verdade S.R. seja uma mulher. Semifinalista ao prêmio de Melhor Autor e Melhor Livro no Goodreads Choice Awards de 2011, Reynard apoia diversas instituições de caridade e acredita que a literatura ajuda a explorar os diversos aspectos da condição humana, como o sofrimento, o amor e a redenção.

Comente com o Facebook