Resenha: Intrusos - Adrian Tomine

As histórias de Tomine exploram variadas possibilidades de se fazer uma Graphic Novel, trazendo temas humanos que se culminam na intrusão do ser

maio 22, 2019 - Postado Por: Redação SOODA
Compartilhe:

As histórias de Tomine exploram variadas possibilidades de se fazer uma Graphic Novel, trazendo temas humanos que se culminam na intrusão do ser




Intruso, alheio, estranho, intrometido, alienígena... Muitas palavras, para descrever o ato de estar presente em um lugar sem a autorização devida. Um ato que por si só pode causar uma explosão de sentimentos sobre os outros, como surpresa, tristeza, raiva, ambição, estranheza, repulsa. Talvez por isso, Tomine, resolveu construir esses contos nessa vertente, porque ele sabe a capacidade que intrusos tem sobre os outros. E não somente na forma física, como na alma. O resultado, não podia ser diferente, essa HQ entrou como uma intrusa na minha vida, porém deixou legados, que eu nunca poderei esquecer.

A seis histórias contadas nessa Graphic Novel são bem diferentes: Um homem que decidiu colocar sua vida sobre uma arte de gosto duvidoso; Uma mulher que tem a mesma aparência de uma atriz pornô; Um Sugar Daddy que entra como um furacão na vida de uma moça; Um personagem que entra na vida de um casal sem realmente está na história; uma jovem sem talento resolve arriscar a sua vida em algo que tem tudo para dar errado; e por fim um homem que entra em uma casa, que possivelmente já foi dele em algum momento do passado. Porém, a tecitura que interconecta uma história na outra impressiona, principalmente, por que essas histórias de vida, em algum nível podem se conectar, comigo, ou com você.



Tomine não é sentimental, mas fala de sentimentos. Aqueles que queremos deixar guardados no fundo da nossa alma. Ele quer resgata-los de lá e te mostrar que esses sentimentos são intrusos, são normais, e se queremos muda-los, temos que enfrenta-los e não deixar lá escondido. Afinal de contas, quantas vezes não tragamos pessoas para desejos estranhos que temos, ou ainda, voltamos para lugares que não é mais habitado por nós, mas queríamos que fosse, ou então, nos sentimos que outras pessoas são simplesmente gêmeos daquilo que somos. Tudo isso está presente nessa HQ, talvez não em primeiro plano, mas cavando, você encontrará, e provavelmente perceberá que todos somos intrusos em algo.

DESTAQUE PARA A ARTE DA HQ

Outro ponto que chama atenção em Intrusos é a capacidade de mudanças na arte durante a história, sem parecer uma "salada de frutas". Desde o primeiro conto, onde o autor consegue fazer ilustrações em preto e branco, e coloridas, onde essa ausência de cor faz todo o sentido, assim como nos outros contos há mudanças nos traços, tamanho dos quadros, utilização de variadas cores, permitindo assim, que o leitor perceba que todas essas diferenças tem uma relevância que se integra ao texto.

Intrusos é uma HQ que conversa com o homem moderno, com a multiplicidade e complexidade que somos e assim mostra, que todos podemos nos sentir invadidos, mas em algum momentos, já fomos ou seremos intrusos, afinal de contas, é da psique humana se integrar com outros humanos, se transformar em sociedade. E nesse espaço, não existe A + B, e sim AB, o que nos tornará intrusos e/ou discretos, dependendo da situação.



Intrusos (Killing and Dying)
Autora: Adrian Tomine
Editora: Nemo - Grupo Autêntica
Ano: 2019
Skoob: 4.1 estrelas / Goodreads: 3,96 estrelas
Compre Aqui: Amazon
5 Estrelas
é uma vitrine estonteante das possibilidades do formato graphic novel e uma exploração carregada de ironia sobre perda, ambição criativa, identidade e dinâmicas familiares. Com esse trabalho, Adrian Tomine reafirma seu lugar não apenas como um dos criadores de quadrinhos mais significativos da contemporaneidade, mas também como uma das maiores vozes da literatura norte-americana moderna. Seu dom para capturar emoção e intelecto fica evidente aqui: o peso do amor e sua falta, o orgulho e o desapontamento da família, a ansiedade e a esperança de estar vivo no século XXI.

Autor: Adrian Tomine nasceu em 1974, em Sacramento, Califórnia. Começou o mundo dos quadrinhos publicando, por conta própria. Desde 1999, Tomine é um dos autores que contribuem regularmente para a The New Yorker.

Comente com o Facebook