Resenha: Rainhas Geek - Jen Wilde

Um livro que traz histórias de amor, amizade e superação em meio ao recanto dos nerds em todo o mundo, as famosas Comic Con´s

agosto 17, 2018 - Postado Por: Redação SOODA
Compartilhe:

Um livro que traz histórias de amor, amizade e superação em meio ao recanto dos nerds em todo o mundo, as famosas Comic Con´s




Ao ler Rainhas Geeks, a primeira sensação que me veio a memória foi a experiência do final de 2017, quando participei pela primeira vez da CCXP Experience, "Comic Con paulistana". A magnitude do evento é algo imensuravel, e difícil de ser transmitido em palavras (veja um pouco mais da nossa experiência aqui). Chegar ás 05h da manhã para assistir os painéis e já ver cosplayers de Star Wars, Harry Potter, etc. Ou então, o burburinho de centenas de pessoas falando sobre cultura POP. A união de pessoas para falar as mesmas coisas que nós gostamos. Tudo isso pode ser acompanhado em detalhes nessa divertida história, que tem muito mais a nos contar. A autora fez uma grande homenagem a todos nós, fãs da cultura POP.

A narrativa de Jen Wilde é sobre duas personagens, duas amigas na verdade, Charlie e Taylor. A primeira delas é uma youtuber que já está bastante conhecida na Austrália, tanto que acabou fazendo um filme com um cara bonitão (esses galãzinhos teen de Hollywood). Com o filme, ela acabou engatando um relacionamento com o Reese. Porém, ele é bastante escroto (tipico macho babaca), e eles acabaram terminando. A questão que num relacionamento público, os famosos ships estão lá rondando, e isso tudo tem mexido com a cabeça da jovem. A Supacon (algo como a Comic Con San Diego) seria o momento de superação dela. Ela até conheceu Alyssa, uma youtuber, a qual ela tinha um crush eterno. Mas ás vezes a sorte não está a favor, e ela acaba se vendo obrigada a se encontrar com Reese durante os evento, por causa da parceria deles no filme. A sombra de um embuste, às vezes é difícil de se apagar.

A outra narradora é Taylor. sua grande amiga e confidente, que realizava o sonho de ir em um evento como a Supacon. Junto com o Jamie, a jovem acabou visitando os stands, a feira, vivenciando o épico (olha o trocadilho) e teve a oportunidade de conhecer sua grande autora favorita da vida (Alguém como JK Rowlling, ou Cassandra Clare). Porém, para isso ela precisaria ganhar um concurso de Cosplay do fandom da série, em meio a esse grande evento. Pânico... Foi o sentimento que Taylor teve, afinal a jovem tinha alguns problemas de relacionamentos e precisaria enfrenta-los para conseguir superar os seus sonhos. A ajuda de uma artista, que talvez tivesse os mesmos problemas que ela, fosse o suficiente para ela conquistar o que tanto almeja.



Rainhas Geeks é uma obra de um pouco mais de 200 páginas. É simples, porém não menos importantes. A espinha dorsal do livro é jovem e pega de jeito qualquer um que faça parte de um fandom, ou que tenha grande apreço a eventos como a Comic Con. Pessoas que até pouco tempo eram marginalizadas por seus gostos, o que de fato mudou muito nos últimos anos. Afinal de contas, se gostar de Star Wars há um tempo atrás era para os "nerds" como uma válvula de escape, para os problemas de integração e relacionamento. Hoje em dia, isso é bastante diferente. Apesar de que ainda é bastante comum essas obras de ficção abraçarem essas pessoas, como nenhuma pessoa na vida real faça. Pois o que mudou, foi que essas obras se tornaram mainstream, mas aquelas pessoas que eram excluídas, continuam sendo excluídas. É só olhar para um escola de Ensino Fundamental e Médio e perceber, que aquele "jovem nerd", continua no mesmo lugar, apesar de tudo aquilo que ele gosta, não. E Rainhas Geeks, nos lembra, que além das grandes obras que hoje são sucesso, devemos integrar também todas as pessoas, respeitando seu tempo e espaço.

Além disso, a autora toca em temas que são extremamente relevantes nos dias de hoje. Um deles é o machismo instaurado dentro desse Universo, no interior do Fandom. Afinal, esse grupo não é descolado de nossa sociedade e estão amarrados por muito dos preconceitos que construímos ao longo dos anos. É impressionante, como a misoginia consegue se adaptar a qualquer novidade.

A reprodução de discursos nas falas de Reese são providenciais, e algumas pessoas podem concordar com muitas justificativas dele. Se esse for o seu caso, que tal refletir mais sobre as suas ações? Além disso, Charlie tenta subverter muitas dessas questões, mas se ver amarrada aos seus próprios medos e também as pressões externas, as quais são muitas.



A questão de bissexualidade de Charlie foi tratada com muita naturalidade, o que é bem interessante, especialmente em uma obra para o público jovem. O interesse da autora aqui não foi colocar o tema em evidência a partir de seus preconceitos, e sim que ela existe e tá de boa. Na verdade, o problema da bissexualidade dela tem mais haver com o machismo do Reese e do Fandom, do que de fato com a orientação sexual em questão. Apesar, de determinado momento a autora colocar uma passagem da ignorância de Reese sobre o tema, acho que o que mais afeta ele não tem nada haver da orientação sexual de Charlie, e sim dela ser uma pessoa que quebra os paradigmas de gênero e o ameaça como "homem provedor" que merece todos os louros.

Já em relação a Jamie e Taylor existem outras questões interessantes a serem levantadas. Desde o medo de uma amizade se tornar relacionamentos, até algumas questões de Taylor e seus problemas de relacionamentos e sua aversão a mudanças. Posso estar errado, mas tudo me leva a crer que Taylor é um pouco mais do que uma simples personagem, mas uma transfiguração da personalidade da autora (ou pelo menos parte dela) para a obra, o que fica mais claro nos agradecimentos.

É interessante perceber, o quanto as amizades são importantes para superar barreiras, e como pessoas que possuem o mesmo problema podem se ajudar de alguma forma. Isso não é novo, terapia de grupo está aí para provar que essa máxima é válida. Porém, colocar que as obras de ficção tem esse papel fundamental de união é a cereja do bolo para Rainhas Geeks. E olha, eu como organizador e participante de eventos literários vejo isso todos os dias. Muitas amizades são construídas a partir desses encontros, e admiro muito cada uma delas, porque são tão genuínas e reais quanto qualquer outra.

Cheguei ao final de Rainhas Geeks percebendo mais uma vez a importância de eventos como a CCXP, não somente como um espaço para vivenciar o épico, mas de encontros. De pessoas que amam uma obra de ficção e que se unem para que ela esteja sempre em seu ápice, assim fica mais fácil de enfrentar nossos próprios problemas e preconceitos que a sociedade ainda insiste em pregar. Rainhas Geeks É uma baita homenagem, para toda pessoa que um dia já se viu fanático por algo que o deixa mais feliz. E a união de felicidades não permite espaço para que coisas ruins tomem conta de nossos corações.


Gostaram? que tal aproveitar pra conseguir uma edição com um preço especial? É só clicar na imagem acima e adquirir o seu exemplar!!!
Rainhas Geeks (Queens of Geek)
Autora: Jen Wilde
Editora: Planeta de Livros (Selo Minotauro)
Ano: 2018
Skoob: 4.4 Estrelas / Goodreads: 3,94 Estrelas
Compre Aqui: Amazon 4 Estrelas
Charlie é youtuber, atriz, bissexual. E uma das atrações principais da Supa Con, a convenção de cultura pop mais famosa do mundo. Essa é sua chance de mostrar aos fãs que superou seu término público com o ex-namorado – e co-estrela de seu último lme – Reese Ryan. O reencontro de Charlie e Reese deixa o clima pesado, mas quando a it girl Alyssa Huntington aparece como convidada surpresa no evento, o que Charlie pensava ser apenas um crush de internet se mostra muito real. Melhor amiga de Charlie, Taylor quer ser invisível. Seu cérebro parece estar programado para funcionar de maneira diferente das outras pessoas e ela gosta de rotina e estabilidade. A única mudança que ela quer em sua vida é no status de sua amizade com Jamie, o que ela sabe que nunca acontecerá. Mas, ao ouvir sobre um concurso de cosplay de seu fandom favorito, Taylor começa a repensar até onde vai seu medo de se destacar.
Autora: Jen Wilde É Nerd, Fangrirl e agora escritora. Sua primeiro série de livros foi lida por mais de 3 milhões no Wattpad de pessoas e foi best seller na Amazon. A autora nasceu na Austrália e agora vive em Nova York. Além de Netflix, seus maiores hobbies inclui participar de convenções como cosplay de Marty Mc Fly. Rainhas Geeks é o seu segundo livro publicado, o primeiro no Brasil.

Comente com o Facebook