Resenha: Clube dos 8 - Daniel Handler

História traz adolescentes comuns que chegaram ao ápice de praticar algo totalmente incomum, mas como?

agosto 20, 2018 - Postado Por: Redação SOODA
Compartilhe:

História traz adolescentes comuns que chegaram ao ápice de praticar algo totalmente incomum, mas como?




A adolescência é uma época de grandes descobertas, e também de errar muito. Afinal de contas, as referências e experiências estão se iniciando. Então é comum que grupos de amigos sejam propensos a fazer algumas coisas diferentes e até mesmo bizarras a olhos externos. É uma época de experimentação. Mas o que diferencia esse processo, a prática de um crime? a um assassinato? Será que todos nós em uma situação de grande euforia (no sentido metafórico) seríamos capaz disso? Ou teríamos limites éticos. Clube dos 8 de Daniel Handler, mesmo autor de Desventuras em Série, nos faz questionar esse clubismo que fazemos na adolescência e em que momento perceber que estamos caminhando por algo que vai além das coisas naturais da vida.

A história é contada, por meio do diário de Flannery Culp. No inicio, sabemos que ela e seu grupo de amigos praticaram um crime que chocou os Estados Unidos. Mas como isso aconteceu? o que levou a isso? E como um grupo de 8 amigos aparentemente normais chegaram a essa extremidade? É o que Flannery relata em seu diário. Mas será que podemos confiar fielmente em tudo que ela diz?



Flannery começa a contar o enrendo no inicio do terceiro ano, depois das férias, momento de reencontro do grupo. Seria uma galera bem semelhante aquelas do nossos rolês da adolescências, com conversas sobre primeiras vezes, bebidas e coisas normais do ensino médio. Aparentemente, tudo caminha na mais santa paz. Flannery estava apaixonada por um garoto e passou as férias todas mandando cartinhas pra ele. Fofo né? E no retorno parece que ele está meio disposto a começar algo com ela. Mas ao longo da história, percebemos que ele é somente um desses "machos escrotos" galinhas do Ensino Médio. Que pega todo mundo que vier, sem se importar com os sentimentos de ninguém. Eu mesmo, tive um "crush" por uma dessas pessoas, e pior, ele correspondeu (hhahahahhaa, acho graça até hoje), mas cair em si do objetivo dele. Mas Flanenery não.

Aos poucos, as coisas vão avançando de maneira estranha na vida das pessoas do Clube dos 8. A possibilidade de uso de drogas, situações de abuso sexual, e até mesmo, pequenos delitos. Engraçado, que não sabemos exatamente quando essas situações estão entrando na vida dessas pessoas, elas só acontecem como se fosse algo do dia-a-dia. E na vida real, isso realmente acontece. Um dia está todo mundo se reunindo para estudar, e de repente uma garrafa de vinho está fazendo parte daquele grupo. Começam-se as brincadeiras. E às vezes os crushes se tornam reais. Sempre é a ideia, de um, ou de outro até se tornar algo coletivo, que fica longe aos olhos dos pais, que não enxergam, ou às vezes deixam passar, como a justificativa "eles são apenas jovens". O problema é que essa falta de monitoramento acaba levando essas situações para algo mais complexo.



UM CRIME QUE LEVA A OUTRO

Durante a história acontece um abuso físico com Flannery (cuidado com os gatilhos) e a partir desse momento, as coisas começam a desandar. O clube fica sabendo, e o problema está justamente aí. Ninguém em sã consciência leva isso para ser resolvido por um adulto. Até porque antes, eles já tinham sido negligenciados, achavam que seriam mais uma vez. Então parte deles começam a fazer coisas cruéis, sem perceber que esse clubismo pode leva-los a um poço sem fundo. E conforme a história vai avançando, os segredos vão os afundando cada vez mais.

Esse tipo de história não é novidade, e costuma ser o plot da maioria das histórias de jovens adolescentes. Pretty Little Liars, Riverdale, Um de Nós Está Mentindo, Clube dos Cinco, só para citar algumas. E isso acaba sendo o maior problema da história. A sua falta de originalidade. Claro, para quem nunca leu ou viu essas séries e livros antes, pode achar interessante esse suspense juvenil. Porém, para quem já viu/leu vai sentir mais pesado a morosidade da história que às vezes parece que não vai a lugar nenhum.

A cereja do bolo, na verdade está nas últimas 50 páginas do livro, que o faz questionar se tudo que você estava lendo era algo real, ou era algo friamente calculado de uma mente doentia, psicopata, de uma jovem que não tem nada de normal, que achávamos que ela teria. Esse questionamento fica até o final do livro. E mesmo concluindo a leitura, a dúvida vai permanecer e você será o responsável por fechar essas arestas.

Ao concluir o Clube dos 8, percebemos que às vezes muitas coisas são feitas a partir de situações tão simples, às vezes uma briga mal resolvida, ou uma disputa tão pequena que geralmente logo são esquecidas. Mas que elas podem ir se acumulando até se tornar uma bola de neve, tendo assim uma situação trágica. Mas o que leva a isso? É verdadeiramente situações banais do dia-a-dia? ou uma mente que já estava disposta a praticar atrocidades, antes mesmo de saber que isso era possível? É uma pergunta que eu deixo para vocês responderem ao terminar essa leitura.



Ficaram interessados, que tal adquirir o exemplar com desconto? é só clicar na imagem acima e comprar o seu!!

Clube dos Oito (The Basic Eight)
Autor: Daniel Handler
Editora: Editora Seguinte (Companhia das Letras)
Ano: 2018
Skoob: 3,2 Estrelas/ Goodreads: 3,82 Estrelas
Compre Aqui: Amazon
3 Estrelas
Como um grupo de jovens estudantes bem-educados acabou se envolvendo num escândalo que chocou um país? Por que tantos especialistas em comportamento juvenil têm algo a dizer quando o assunto é o Clube dos Oito? Até quando inúmeras manchetes de jornal e programas de TV sensacionalistas vão explorar o caso nos mínimos detalhes? Para fazer com que a verdade venha à tona, Flannery Culp, a dita líder do Clube, decide tornar público o diário que manteve ao longo do seu desastroso último ano de ensino médio. Agora que está presa por cometer um assassinato, a garota tem tempo de editar o que escreveu e revisitar a rotina que levava ao lado de seus sete melhores amigos. A narrativa de Flan, permeada de professores da pior índole, um amor não correspondido, aulas complicadas e jantares pomposos, comprova que ela pode até ser uma adolescente criminosa — mas, pelo menos, é uma adolescente criminosa muito inteligente.
Autor: Daniel Handler já escreveu 6 livros com esse nome. Porém, ele é mais conhecido pelo seu pseudônimo Lemony Snicket, o qual ele já vendeu mais de 70 milhões de cópias em todo mundo, e a sua história mais conhecida é Desventuras em Série que foi transformada em filme e série para a Netflix e já está em sua segunda temporada.

Comente com o Facebook