Resenha: A Cabeça na Cama - Filipe Nassar Larêdo

Livro do autor paraense, traz intensas reflexões sobre as morosidades da vida, por meio de uma cabeça que pode ser a sua

julho 31, 2018 - Postado Por: Francisco Neto
Compartilhe:

Livro do autor paraense, traz intensas reflexões sobre as morosidades da vida, por meio de uma cabeça que pode ser a sua




A primeira vez que eu cheguei a São Paulo, um das coisas que me chamou atenção, foi a velocidade que as pessoas caminham de um lado para o outro. Ao adentrar no metrô, é quase impossível não perceber como as pessoas correm de um lado para o outro num frenesi que dá agonia. Pior. De uns anos pra cá percebi que Belém do Pará, cidade onde eu vivo, as pessoas começam a seguir esse mesmo ritmo. Uma vida acelerada que quase nos impede de parar. Uma busca imensa por dinheiro, ou poder. Ou ainda as duas coisas. A Cabeça na Cama é acima de tudo uma história sobre isso, o seu tempo de vida passando e você nem se dando conta que ele tem um fim.

A história é um relato contado por Tomás, um homem de meia-idade, com uma família estabelecida, mulher e filhos, e um bom emprego em uma instituição bancária que dava a possibilidade de ter muito dinheiro. Ambicioso, logo percebemos que ele ascendeu seguindo as regras dessas empresas, tudo pelo lucro. Essa é uma vida que muitas pessoas passam o tempo todo buscando. Porém, para alcançar esse objetivo, Tomás precisou abdicar da família, amigos e se voltar totalmente para o trabalho. Algo que o organismo cobra o preço.

Recomendado pelo médico, ele acabou tirando 30 dias de férias e foi com a sua esposa e filhos para o nordeste. Porém, ao chegar no hotel, ele recebeu uma noticia que precisaria voltar. Apareceu uma cabeça em sua cama que gritava desesperadamente incomodando vizinhos com seu barulho ensurdecedor e cheiro insuportável. Muito a contragosto Tomáz voltou, mal ele sabia o que esperava.



Cabeça na Cama é uma história que busca por meio de uma narrativa que beira o nosense discutir sobre como a nossa vida vem seguindo sobre uma linha cartesiana, de modos que nos tornamos apenas uma manada nesse processo, esquecendo a finitude de nossa história. Esses dias, estava vendo uma entrevista com o presidente do Uruguai que falava justamente sobre isso. Que nos tornamos a sociedade do consumo, mas simplesmente esquecemos que compramos as coisas com nosso tempo de vida. O dinheiro talvez como atravessador talvez no faça esquecer disso. Mas veja bem, para ele chegar em nossas mãos, é necessário trabalho. E o trabalho se faz com nossas habilidades sobre um tempo que não voltará. Então pense, ao comprar um celular, você gastou uma parcela do seu tempo de vida nele, viu.

E a vida de Tomáz praticamente se esvaiu com o seu alto esforço de ser alguém na vida. Algo que o autor não esquece nunca de contar e reafirmar. Os primeiros 50% do livro é recheado desses flashbacks, ou cenas do passado de Tomáz que formaram o que ele é hoje. E não só ele como a sua familia que foi toda puxada para os mesmos problemas. Sua esposa se tornou a típica "dondoca" que não quer saber de nada a não ser shopping, e beleza. Assim como, o seu filho que desde muito jovem se tornou um completo "babaquinha". Toda essa trama é usada para criticar a tão famigerada classe média brasileira, que insiste em dizer que "sofre", mas o maior "sofrimento" é não poder levar o filho a Disney naquele ano, porque o pai tem que trabalhar.

E ao chegar o momento do encontro com a Cabeça na Cama, é quando nós leitores enlouquecemos junto com Tomáz. Afinal de contas, o que é essa cabeça? Porque ela chegou ali? para onde ela quer nos levar? É um momento do personagem refletir sobre a sua sanidade acerca de toda essa morosidade que ele vivia, de descobrir de fato o que precisa limar de sua mente para ser feliz. Ele Precisa de fato saber o que gosta e o que odeia, para assim seguir em frente. Mas é difícil determinar tudo isso. Ele está tão embebido pelo dinheiro e vontade de ter mais coisas materiais, que é difícil sair dessa sanidade. Talvez Tomáz seja sim o reflexo de muitos de nós.



Ao chegar ao final de A Cabeça na Cama, você encontra um final aberto e pronto para que você possa completar, a partir de suas experiências e vivências unido a leitura das mais de 130 páginas de reflexão sobre o que somos, o que queremos ser e como escapar das insanidades que a nossa sociedade nos pressiona a seguir. Afinal de contas, ninguém disse que é fácil nadar contra a Maré. Mas talvez A Cabeça na Cama seja aquele barquinho que vai nos ajudar a enfrentar as tempestades para assim chegar ao nosso objetivo final de vida: Ser Feliz.



Ficaram interessados? é só clicar na imagem acima e adquiri o seu exemplar !!!
A Cabeça na Cama
Autora: Filipe Nassar Larêdo
Editora: Empireo
Ano: 2018
Skoob: 5.0 Estrelas /
Compre Aqui: Amazon
04 Estrelas
Tomás é um homem ambicioso, que começa sua carreira como bancário e depois torna-se um bem-sucedido e rico gerente em uma empresa de investimentos financeiros. Trabalhando exaustivamente e sem muitos escrúpulos ou valores morais, não mede esforços para conseguir engordar seus ganhos. E o pouco tempo que tem com a família é recheado de contatos mecânicos e distantes. Até que um dia, durante o inicio de uma viagem de férias, Tomás recebe o telefonema do pai, responsável pelo apartamento durante a sua ausência, e escuta uma noticia inesperada: surgiu uma cabeça em sua cama. Atordoado, ele volta para casa e, dominado pelo acontecimento insólito, precisa desvendar os segredos que a cabeça esconde.
Autor:Filipe Nassar Larêdo trabalha a bastante tempo no mercado literário e hoje é editor na Editora Empíreo. A Cabeça na Cama é o seu livro de estreia lançado recentemente na FLIP - Feira Literária de Paraty.

Comente com o Facebook