RESENHA: UMA DOBRA NO TEMPO - HOPE LARSON (ADAPTAÇÃO), MADELEINE L´ENGLE

Graphic Novel consegue tornar mais acessível a história clássica escrita por Madeleine L´Engle

maio 01, 2018 - Postado Por: Francisco Neto
Compartilhe:

Graphic Novel consegue tornar mais acessível a história clássica escrita por Madeleine L´Engle




Um clássico da fantasia e ficção cientifica, lançado em 1962, Uma Dobra no Tempo ganhou grande destaque em 2018 no Brasil. Apesar, de fazer bastante sucesso no mundo todo, na terra verde e amarela, a história tinha vendido poucos exemplares. Porém, do final de 2017 até agora, já foram lançados dois livros da série, com o próximo previsto para ser lançado em maio. Também estreou o filme, que foi o agente propulsor desses lançamentos e mesmo com o fracasso de criticas e bilheterias, ele conseguiu se pagar.

Além do livro e filme, a história chegou em formato de Graphic Novel, em uma edição de luxo lançada pela Darkside Books, que mesmo que fosse uma história ruim, já valeria por todo o conjunto da obra.

e para aqueles que foram lá no IMDB e deram notas baixas ao filme (vou procurar cada um, hehehe) e por algum motivo estão com medo de adquirir a HQ da Editora Darkside Books, fiquem tranquilos, a adaptação de Hope Larson consegue transpassar tudo aquilo que a autora Madeleine L´Engle pensou e ainda consegue deixar mais acessível para o público. Usando a metáfora de Uma Dobra no Tempo, é como se o livro fosse a 1º Dimensão; o filme fosse a 3º Dimensão; e a Graphic criada pela Hope Larson fosse enfim a 5º dimensão. Ou seja, se você não entender lendo essa HQ. Desista (brincadeira, nunca desista, viu).



No enredo criado por Madeleine L ´Engle, é possível acompanhar a vida de uma família super dotada. O pai e mãe desse lar são doutores com muitas pesquisas em andamento e em alguns momentos até ajudam o governo no desenvolvimento de alguns projetos. Eles tem 4 filhos. Meg, a mais velha é muito boa em matemática, apesar de subjugar todo o tempo. Os gêmeos, parecem que tem um Q.I., Ok, apesar de nos outros livros a gente perceber o quanto eles são espertos. E o pequeno Charles, que tem um pensamento tão avançado, que é difícil nós leitores adultos acompanhar a sua mente.

Tudo ia bem, até que o patriarca da família saiu para desenvolver um trabalho, e não retornou. Quatro anos depois, o sentimento de que ele ia voltar ainda persistia, mas a dor de seu sumiço, perdurava, especialmente para a Meg e sua mãe.

Um dia, três senhoras bem estranhas, a Sra. Qual, Sra. Quem e Sra. Quequé apareceram na vida de Meg e Charles e o convidaram para uma aventura que como resultado, eles poderiam encontrar o seu pai. Junto com Calvin, um amigo que apareceu do nada, os jovens embarcaram nessa aventura no tempo e espaço e com intensos discursos morais. (Resenha do livro aqui)



UMA ADAPTAÇÃO MAIS ACESSÍVEL AO PÚBLICO

Ao ler pela primeira vez a história de Uma Dobra no Tempo, é perceptível ver da autora o esforço em abordar temas científicos em um modo mais acessível. Porém, por vezes, alguns leitores se sentiram muito confusos ao se debruçar na leitura. Algumas resenhas revelam a falta de referências para entender o livro de Madeleine L´Engle. Diferente do livro, a adaptação de Hope Larson é bem mais acessível para o público fazendo um ótimo casamento entre os diálogos e as ilustrações (talvez tenha ajudado, essa ser a terceira vez em que eu revisito a história, mas isso é um detalhe, hehehehehe).

Além disso, a história adaptada fez alguns ajustes no desenvolvimento do enredo e apesar do livro está presente nas 400 páginas da HQ, em alguns momentos a ordem em que os fatos aparecem são diferentes. Um desses momentos é o da explicação do Tesserato que não ocorre no mesmo trecho que no livro de Madeleine L´Engle. Isso faz cair por terra aquele ditado de "a ordem dos fatores não alteram o produto". Na verdade alteram sim, aqui a história está toda presente, porém a acessibilidade em entender a Graphic é bem maior que o livro, e o filme também. Na verdade, o filme fez umas mudanças mais consideráveis mudando características de personagens, o que não aconteceu na HQ.

Além disso, o traço de Hope Larson, faz a gente entender muito bem a quem essa HQ se destina. São traços mais simples e por vezes até infantis que conseguem conversar com o público. Mas, isso não significa que a história se tornou simples e esquecível. Pelo contrário, ela ainda é muito marcante, assim como o livro e ainda depende bastante de nossa imaginação para se desenvolver, apesar dos personagens terem rostos, até bem diferente do que imaginamos somente nas palavras de Madeleine.



UMA EDIÇÃO PRIMOROSA

A história com certeza teve uma edição que merecia. A capa feita pela Retina 78 consegue brincar com a ideia de viagem no tempo/espaço, por meio de círculos, utilizando-se de cores que nos remetem diretamente ao espaço. Além disso, o brilho na capa, e especialmente na 4º capa, que muda conforme a incidência de luz é um aspecto que deixa-nos preso pelo menos uma hora só admirando o trabalho da Darkside Books.

Além disso, o miolo em duas cores e a cor a azul das ilustrações conseguem casar muito bem o projeto gráfico com a ideia do livro. Um trabalho tão bem executado por Hope Larson que me faz querer ter mais trabalhos da autora na minha estante. Especialmente se vierem pela Darkside Books que consegue finalizar muito bem a obra, deixando-a inclusive superior aquelas feitas por edições norte-americanas.

Mais uma vez a escolha da Linha editorial Darkside Graphic Novel foi acertada mesclando o interesse por uma história fantástica, que é Uma Dobra no Tempo, com um trabalho bem feito, fazendo com que essa obra com certeza seja uma das preferidas da estante de muitos daqueles que são verdadeiros amantes de Histórias em Quadrinhos. Se você não gostou do filme, dê uma chance para essa HQ, com certeza você não vai se arrepender.


Ficaram interessados? Adquira o livro clicando na imagem acima, e ajude esse lindo blog a crescer!
Uma Dobra no Tempo (A Winkle in Time)
Autora: Hope Larson (Adaptação) / Madeleine L´Engle
Editora: Darkside Books
Ano: 2018
Skoob: 3,7 Estrelas / Goodreads: 3,93 Estrelas
Compre Aqui: Amazon
4 Estrelas
Em Uma Dobra no Tempo, o pai de Meg e Charles Wallace, um exímio físico, está desaparecido há dois anos. A aventura começa quando, em uma noite de tempestade, eles recebem a visita de uma senhora peculiar, a sra. Queque é, que foi tirada de sua rota pelo vento enquanto viajava pelo tempo e espaço utilizando o tesserato. Na companhia de mais duas criaturas sobrenaturais, a sra. Quem e a sra. Qual, e de um garoto chamado Calvin O’Keefe, eles partem pelo universo em busca de qualquer indício do paradeiro do dr. Murry. Mas o que eles descobrem vai muito além disso: todo o universo está sendo atacado pela Escuridão, uma força perigosa que traga a luz das estrelas e dos planetas, em uma luta contra o mal que parece nunca acabar.
Roteirista das histórias da Batgirl, da DC Comics, e ganhadora de um Eisner Award, a maior honraria para um quadrinista, Hope Larson realiza um trabalho impecável ao reacender as memórias de quem cresceu na companhia de personagens tão carismáticos, ao mesmo tempo em que introduz, com respeito e carinho, o universo de Madeleine L’Engle para quem acabou de embarcar nessa jornada. E que jornada. Uma Dobra no Tempo é uma aventura emocionante para todas as idades que discute temas importantes e eternos como coragem, aceitação das diferenças e a importância de acreditar em si mesmo. A jornada de Meg, uma garota comum e ao mesmo tempo extraordinária, nos mostra que existe um poder capaz de vencer qualquer obstáculo: o amor.
Autora: Madeleine L´Engle foi uma escritora estadunidense tendo como principal livro o seu best seller "Uma Dobra no Tempo", série de cinco livros de ficção cientifica para jovens adultos que também foi bastante premiado e lhe concedeu muito reconhecimento. Antes de lançar o livro ela teve o manuscrito recusado por mais de 20 editoras, que considerava a sua obra: "Ou muito infantil, para o público adulto, ou muito adulta para o público infantil".
Hope Larson é roteirista das histórias de Batgirl na DC e também já faturou um Eisnar Award, o Oscar dos Quadrinhos.

Comente com o Facebook