Resenha: História é Tudo Me Deixou - Adam Silvera

Um livro sobre luto, e como se recuperar desse momento tão doloroso

janeiro 18, 2018 - Postado Por: Redação SOODA
Compartilhe:

Um livro sobre luto, e como se recuperar desse momento tão doloroso




Toda vez que algo bom tem um fim, no geral, o impacto sobre esse ciclo gera uma dor em vários aspectos. O fim de um relacionamento, de fases de nossas vidas, e até mesmo a morte de uma pessoa querida é algo extremamente difícil de digerir. Em certas ocasiões o que nos resta são as memórias, os pensamentos, ou ainda objetos que associamos a momentos. Por vezes o que nos resta é a "História é tudo que me deixou".

No livro escrito por Adam Silveira somos encharcados pelas histórias de Griffin, um jovem de 16 anos, fissurado pelo universo geek, que está de luto pela morte do ex-namorado dele, Theo. O primeiro amor de sua vida, primeiro beijo, primeira transa e responsável por dezenas de outras primeiras vezes. A tristeza o consome, pois apesar de terem terminado, ele acreditava que teriam um futuro, mesmo com Theo namorando outra pessoa, o Jackson. Porém a última fagulha de esperança se acabou.



Para viver as fases do luto (Negação, Raiva, Negociação, 'Depressão' e Aceitação) , Griffin se junta com Jackson, para suportarem esse momento. Uma união pouco improvável, mas a única nesse momento, visto que aqueles o cercavam, achavam que eles eram jovens e deveriam superar facilmente. Além disso, Griffin, que possui Transtorno Obsessivo Compulsivo, começou a ter conversas mentais como se ainda estivesse interagindo com Theo. E assim é que seguimos na narrativa do livro, como se nós fossemos o Theo e essa conversa fosse direcionada pra gente.



SOBRE AS CINCO FASES DO LUTO

De acordo com um estudo da psiquiatra Elizabeth Kubler-Ross, as fases do luto, são experiências vivenciadas pelo homem, de modos a superar a perda de um ente que foi significativo em nossas vidas. A morte, apesar de ser uma experiência inerente ao ser humano, ainda provoca impactos relevantes em nossa vida, especialmente em nossa cultura ocidental que enfrenta essa fase como um tabu. Caitlin Doughty, no livro Confissões do Crematório (Resenha aqui) fala com muita propriedade sobre essa discussão, onde ela coloca que devíamos lidar com a morte mais naturalmente, não que tenha que ser banal, mas no sentido que ela vai ocorrer de qualquer jeito.

Porém para Griffin, a morte de Theo não é natural, e nem muito menos banal. Sentimos as suas dores a cada fase, no qual o autor nos encaminha. Percebe-se que a tonalidade da história quando está "no presente" vai mudando de acordo com as fases do luto. A Negação que ocorre nos primeiros momentos é quase uma faca fincada em nosso âmago. É difícil não querer entregar o nosso coração ao Griffin e também Jackson, que apesar de não estar narrando a história tem um sentimento extremamente dolorido. Inclusive, é incômodo está na mente do protagonista que vê Jackson como acessório do Theo e não compreende, pelo menos não ainda, que o jovem também viveu uma história.

A fase da raiva e negociação se complementam e se intercalam, e as vezes seus pensamentos também caem sobre a "depressão". Isso porque quando as histórias dos dois jovens vêem a tona, ocorre um mix de sentimentos confusos e doloridos que aparentemente não levam a lugar nenhum, mas sem perceber os colocam no clima de superação. Porém, atitudes tomadas nesse momento são perigosas e quase levam os dois novos amigos para caminhos mais complexos e doloridos. Afinal de contas, o ser humano é algo difícil de compreender.



PASSADO E PRESENTE

Para diminuir o clima dolorido do livro, a narrativa é mesclada entre histórias vivenciadas no passado, desde o inicio do relacionamento, coisas que vivenciaram juntos e também, algumas mudanças que causam medo nos personagens. Dessa forma, toda vez que retornamos ao presente, conseguimos um novo fôlego para aguentar o clima depressivo no qual a obra nos imerge.

Essa narrativa construída pelo autor também foi utilizada para segurar o leitor até o final da história. Isso porque, boa parte do entendimento de alguns acontecimentos que em primeiro plano parecem não fazer sentido, são explicadas nas histórias do passado. Algo que Adam Silvera já utilizou em Lembra Aquela Vez (Resenha Aqui)



REPRESENTATIVIDADE

Diferente do seu primeiro livro, e talvez por ter bebido um pouco da fonte "Becky Albertali de positividade sobra a causa LGBTQ+", os personagens do livro são tratados de maneira muito natural. E a aceitação deles perante a sociedade é muito tranquila. Os pais, os amigos, e todos que estavam ao redor do Griffin, Theo e Jackson não tiveram nenhum problema. O que ocorria eram constrangimentos inerente a qualquer casal, como por exemplo, o momento que o pai de Griff (ops, só quem chama ele assim é o Theo) os encontra comprando camisinha e quer ter "aquela conversa".

Esse tipo de história é importante para a causa LGBTQ+, especialmente porque ela naturaliza essa questão, não tornando-a Tabu, ou uma agenda que tem que ser levantada a todo o tempo. E também não silencia as histórias difíceis sobre aceitação que conhecemos. Elas não são rivais, são complementares.



ENTRE O FRIO NOVA IORQUINO E O CALOR CALIFORNIANO

Tenho uma coisa a confessar para vocês. Amo histórias que tenham como pano de fundo Nova York. E essa não seria diferente. Cafés, espaços geeks, pontos turísticos conhecidos, o frio, vivências, são tantas referências nessa história que é difícil não respirar a cidade, enquanto está lendo esse livro. Assim como, quando o cenário muda para Califórnia. O calor (ou quase), a praia, a sensação de liberdade que o estado possui também é bastante pontuado. Apesar, de que notamos a diferença de como os dois ambientes são tratados: Nova York para viver e Califórnia para visitar.

Ler "História é Tudo que me Deixou" é imergir no universo de luto e superação, no qual o primeiro momento parece ser impossível de superar e o segundo é aquela hora onde as histórias se confortam em nossas mentes e nos faz sorrir toda vez que lembramos da importância de uma pessoa que se foi em nossas vidas.



COMPRANDO NA IMAGEM ACIMA, VOCÊ AJUDA O BLOG A CONTINUAR PRODUZINDO CONTEÚDO PARA VOCÊS !!!

História é Tudo que me Deixou (History Is All You Left Me)
Autora: Adam Silvera
Editora: Hoo Editora (Grupo Universo dos Livros)
Ano: 2017
Skoob: 4,4 Estrelas / Goodreads: 4,14 Estrelas
Compre Aqui: Amazon,
04 Estrelas
Quando o primeiro amor e ex-namorado de Griffin, Theo, morre afogado em um acidente, seu universo implode. Embora Theo tivesse se mudado para a Califórnia para cursar a faculdade e começado a namorar Jackson, Griffin nunca duvidou de que Theo voltaria para ele quando chegasse a hora certa. Porém, o futuro que ele tanto desejava está despedaçado. Para piorar as coisas, a única pessoa que realmente entende sua tristeza é o Jackson. Mas, não importa o quanto eles conversem e se entendam, a espiral depressiva de Griffin continua. Ele está se perdendo em suas compulsões obsessivas e escolhas destrutivas, e os segredos que ele tem guardado o estão consumindo. Se Griffin pretende reconstruir sua vida, ele precisará visitar e confrontar o que viveu com Theo, história por história.
Autor: Adam Silvera nasceu e cresceu no Bronx. Ele era livreiro antes de entrar no ramo editorial infantojuvenil, e já trabalhou em uma empresa de desenvolvimento literário, um website de escrita criativa para adolescentes e como crítico de romances infantojuvenis e de jovens adultos. Ele é alto, por nenhum motivo aparente, e mora na cidade de Nova York.

Comente com o Facebook