Resenha: Chronos: Viajantes do Tempo - Rysa Walker

Livro lançado pela editora Darkside Books leva os jovens e adultos para uma viagem ao passado e futuro, mostrando as consequências desastrosas de uma pequena mudança na linha do tempo

janeiro 10, 2018 - Postado Por: Redação SOODA
Compartilhe:

Livro lançado pela editora Darkside Books leva os jovens e adultos para uma viagem ao passado e futuro, mostrando as consequências desastrosas de uma pequena mudança na linha do tempo.




Estudar história, é ter em mente que as pesquisas e resultados delas sempre serão narrativas dos acontecimentos históricos, ou seja, não é a realidade "de fato". Apesar de que os estudos tentam se aproximar desses acontecimentos e motivações para que seja entendido por todos.

Porém, e se ao invés da pesquisa dos historiadores se debruçarem em documentos, fotos, e fontes orais, tivessem como principal fonte de pesquisa, a realidade? Tipo, o historiador ter a possibilidade de viajar no tempo e ter uma experiência vivencial?

Com Chronos isso é possível !!!!

Esse artefato estará disponível nos anos de 2.300, de acordo com o livro da Rysa Walker. E assim é possível que algumas pessoas com habilidades especiais possam viajar no tempo, sob muitas regras. Será possível, por exemplo, estudar a História da segunda Guerra, ao lado de Hitler, ou ainda a Independência do Brasil, de frente para Dom Pedro I. Seria fabuloso para qualquer historiador, não? Ouso a dizer para qualquer pessoa. Afinal, qual melhor forma de compreender algo senão pela experiência vivida?

Com essas possibilidades, somos então imersos a "Chronos: O Viajante do Tempo". A história inicia-se nos tempos atuais, na perspectiva da jovem Kate Pierce. Com 16 anos, ela vive com a mãe, e um dia recebe a visita inesperada da sua vó que estava anos afastada da família. Katherine, a matriarca dessa família, não é tão bem vinda por alí. Mesmo assim, ela marca um encontro com a filha e a neta para dizer que está se mudando para próximo delas, pois quer viver os seus últimos dias de vida ao lado daquelas que ama. Ela foi recentemente diagnosticada com um câncer incurável.

Quando ela fica um tempo a sós com a pequena Kate, conta que além do câncer, ela está ali, pois sua neta é uma menina que tem habilidade para utilizar o "Chronos", além de ser a única pessoa capaz de salvar a vida na terra. A menina de inicio não acredita. Porém, quando acontece uma pertubação na sua linha do tempo que culmina no desaparecimento do seus pais, não resta a ela nada, senão acreditar em sua avó e começar o seu treinamento para utilizar o Chronos. Assim, Kate poderá voltar ao passado, com objetivo de colocar as coisas em ordem. Porém, nada disso vai ser fácil.



COMO TUDO COMEÇOU

Mais tarde, descobrimos que Katherine também é uma viajante do tempo. Na verdade, a jovem senhora não é uma pessoa do presente de Kate, mas sim do futuro. Ela vivera uma época, onde os historiadores viajavam no tempo para coletar informações suficientes para as suas pesquisas. O problema, é que a empresa em que ela trabalhava, estava contaminada de pessoas que queriam usar o Chronos como uma fonte de dominação do planeta terra. E nessa bagunça, ela ficou presa na década de 1960. Teve filhos e netos. E assim continuou sua vida parada naquele tempo x espaço.

O problema é que pessoas de má índole precisam dar um sumiço em Katherine para continuar seus planos de dominação. E tentarão fazer isso no passado, numa das expedições históricas da vovozinha, mais precisamente uma em 1895, durante a Exposição Mundial de Chicago. Para que nada aconteça a ela, Kate terá que ir até esse momento histórico para resolver a situação. Mas a desgraça ainda não estava completa, pois além dos riscos já existentes dessas viagens, a jovem ainda terá que tomar cuidado com um certo serial killer que está rondando a exposição e poderá chegar mais próximo do que ela imagina.



UMA FICÇÃO CIENTIFICA COM BASES HISTÓRICAS

Assim como outros livros de viagem no tempo. Chronos é uma história de ficção cientifica. Porém, se aproximando mais de romances como Outlander. A história contada pela autora é apenas um pano de fundo para ambientar os personagens em uma aventura com bases históricas. Isso porque, a todo o momento é possível perceber a minuciosa pesquisa da autora para narrar fatos que aconteceram de verdade. Historiadora de formação, Rysa não esqueceu as suas raízes acadêmicas, fazendo descrições primorosas que com certeza nos imerge ao ambiente de Chicago do final do século XIX. Acho tão bom, quando a ficção cientifica respira a história.

O fato histórico mais marcante desse primeiro livro é justamente a Exposição Universal de 1895 ocorrida em Chicago. Esses eventos são muito significativos para a história cultural da humanidade. E até hoje, poucos autores de ficção se debruçaram sobre eles. Por causa desses eventos várias invenções e prédios históricos se tornaram legado para as suas cidades. A Roda Gigante, por exemplo, fora criada em 1895. Já a Torre Eiffel que foi criada anos mais tardes para a exposição na França. No Brasil, também houve um evento desse porte em 1922 com objetivo de comemorar o primeiro centenário da Independência do Brasil. O prédio do Museu Histórico Nacional, da Academia Brasileira de Letras e da Embaixada dos Estados Unidos no Rio são alguns dos exemplos da exposição na cidade.


Primeira Roda - Gigante foi criada para a Exposição Mundial de 1895

Outro detalhe interessante na história, foi que a autora colocou um encontro da protagonista e sua trupe de viajantes do tempo numa aventura marcante com um dos maiores serial killers já registrado na história da humanidade. Possivelmente, um dos primeiros: H.H. Holmes. Um médico que praticou a maioria de seus crimes durante a Exposição Mundial, num local que ficou conhecido como: O Hotel dos Assassinatos (Hotel da Feira Nacional).


Hotel dos Assassinatos, local onde H.H Holmes praticou a maioria de seus crimes, e que também é citado no livro

MOVIMENTAR O PASSADO É MODIFICAR O PRESENTE E FUTURO

Em Chronos, é mostrado que muitas regras dos historiadores, relativos a utilização do medalhão são importantes para evitar as mudanças e criação de novas linhas do tempo. Isso porque, imagine o impacto que seria gerado se um desses historiadores resolvesse mudar significativamente o passado. Muitas coisas do futuro seriam diferentes, e por consequência, o tempo seria fragmentado em tempos alternativos àquelas realidades que haviam sem interferências externas.

Nessa perspectiva é que age um dos vilões dessa história, que tenta por força mudar vários aspectos da realidade que se conhece, mudando alguns fatos históricos. Porém, em alguns momentos, isso pode causar consequências desastrosas, levando até nós leitores para essa confusão temporal, se perguntando. O que é da antiga e da nova realidade? Alias, a autora brinca bastante com isso, deixando-nos, propositalmente, confusos perante a isso sem perder o fio da meada. Alias, algumas revelações serão feitas nesse aspecto, que colocará em perspectiva. Preferimos qual realidade que Kate vivencie.



UMA NARRATIVA BOA, QUE TROPEÇA NAS MUDANÇAS TEMPORAIS DA VIDA

Um dos grandes pontos positivos da história de Rysa Walker é a sua narrativa acessível que consegue abarcar vários públicos, apesar de seu foco maior para os jovens. Isso, possibilita que essas pessoas se aproximem com o campo cientifico (especialmente as ciências humanas), mostrando a importância do estudo da História para os jovens.

Porém, esse que é um dos pontos altos da histórias, em alguns momentos, se tornam também um problema. Pois, se de fato a narrativa é acessível. Algumas vezes ela não sabe se caminha para conversar com os adultos, ou os pequenos. Talvez por questões de traduções. O primeiro ato do livro, possui uma linguagem que incomoda e muito. Isso porque existe um excesso no uso de palavras no diminutivo. "Paizinho", "estrelinhas", "carinha","iguaizinhos" estão entre as palavras que encontrei. Que vamos e convenhamos, não é muito adequada a uma jovem de 16 anos. A partir do segundo ato, essa questão melhora e assim convivemos com bem menos "inhos" até o final da história.

Chronos: O Viajante do Tempo - Livro 1 é uma história de viagem no tempo que pode levar esse tema para os jovens angariando milhares de fãs, assim como Outlander fez com o público adulto. O potencial que a autora demonstrou nessa obra, mostra que existem muitos espaços a serem explorados, trazendo essa carga histórica a um livro de ficção cientifica. Ao finalizar o primeiro livro, fiquei com um gosto agridoce na boca, esperando para devorar a segunda história e quem sabe uma série que no exterior já se desenrolou em livros e HQ´s. Agora é esperar os próximos títulos para continuar acompanhando a vida da jovem Kate e sua viagem pelo tempo.


Ficaram interessados? Adquira o livro clicando na capa acima, e ajude esse lindo blog a crescer!
Chronos: Viajantes do Tempo (Timebound)
Volume #1, Trilogia Chronos (Volume #, The Chronos Files)
Autora: Rysa Walker
Editora: Darkside Books
Ano: 2017
Skoob: 4.0 Estrelas / Goodreads: 3.8 Estrelas
Compre Aqui: Amazon, Saraiva, Submarino
04 Estrelas
Conspirações, a chave para a eternidade e um assassino em série. Somos todos reféns do tempo. Na vida, tudo tem uma ordem certa para acontecer: os sapatos devem ser colocados depois das meias, a geleia deve ser passada no pão depois da manteiga, netos nascem depois dos avós. Kate Pierce-Keller nunca havia dado atenção a este último item, até sua avó surgir com revelações e um objeto que podem colocar sua existência em risco. Os eventos da premiada Trilogia Chronos se iniciam quando Kate descobre que sua avó é uma historiadora viajante do tempo nascida alguns séculos à frente, mas presa ao presente por conta de um acidente e possui um artefato, um medalhão azul reluzente, que permite realizar saltos temporais para qualquer época e local. Tudo parece um absurdo no início, mas uma leve interferência na linha temporal faz com que os pais de Kate sumam do mapa e ela seja a próxima da lista. Arriscando sua vida, ela aceita a missão de tentar voltar no tempo para evitar um homicídio que é a chave de tudo e colocar as coisas no seu devido lugar. Mas se ela for bem sucedida, a interferência também terá um custo pessoal.
Autora: Rysa Walker cresceu numa fazenda de gado no sul dos Estados Unidos. Suas opções de entretenimento eram conversar com as vacas e ler. Nas raras ocasiões em que conseguia o domínio do controle remoto da televisão, ela assistia a Star Trek e se imaginava vivendo no futuro, em planetas distantes, ou pelo menos numa cidade grande o suficiente para ter um semáforo. Atualmente, quando não está escrevendo, ela dá aulas de história e política na Carolina do Norte, onde divide um escritório com o marido e uma cachorrinha golden retriever chamada Lucy. Ela gosta de ioga, chocolate super amargo, e de jogar Galaga e Scrabble. Mas ela ainda não consegue o domínio do controle remoto da TV com muita frequência, graças aos seus filhos obcecados por esportes.

Comente com o Facebook