Artigo: Vivendo o Épico - Experiência na CCXP

O Editor-Chefe do Sooda Blog conta como foi sua experiência na CCXP, maior evento de cultura nerd do Brasil, que aconteceu em São Paulo

dezembro 14, 2017 - Postado Por: Francisco Neto
Compartilhe:

O Editor-Chefe do Sooda Blog conta como foi sua experiência na CCXP, maior evento de cultura nerd do Brasil, que aconteceu em São Paulo




A palavra "épico" induz ao sentimento de heroísmo, de viver uma aventura, uma jornada. E vivenciar a tão famigerada Comicon Experience ou simplesmente CCXP, ocorrida de 07 a 10 de dezembro, com certeza tem um pouco disso. Especialmente se quiser vive-la em sua plenitude. Afinal, são 220 mil pessoas que circularam no pavilhão da São Paulo Expo, nesses quatro dias de evento. E claro, para ter o prazer da vitória, é necessário esforço. Uma palavra que não deve ser esquecida enquanto tiver no evento: Resistência.



Devido a contratempos durante a compra, só consegui comparecer no evento ao domingo. E Cheguei cedo. Não mais do que as cerca de 500 pessoas que estavam na nossa frente. Mas, o evento iniciava às 11hs e às 05h estávamos a caminho da São Paulo Expo. Ainda bem que o evento ocorreu em SP, onde tem padarias abertas 24hs. Assim, pude me preparar para a jornada, desde às 03h com um café reforçado. (Obrigado Bella Paulista, pelo café da manhã dos Deuses).

Chegar e sair da CCXP nunca é fácil. Fomos assim que abriu o Metrô e chegamos na Estação Jabaquara. De lá, a essa hora, caminhando é um pouco perigoso. Mas vi gente que teve coragem. Eu e o grupo de blogueiros que saíram de Belém, pegamos um UBER para chegar até o evento. É o sacrificio para assistir aos painéis mais concorridos da CCXP. Warner e Netflix (painel 2).

CCXP 01


08h30 da manhã. Depois de uma soneca na fila mesmo, e bate papo com os amigos em dia, e fazendo novos amigos também. Agora era hora de entrar. Quem chegou cedo teve essa regalia de esperar no auditório até o horário do evento às 11h30. A questão é, não tem comida. Quer dizer, até tem, mas um Hot Dog, com pão e salsicha (É, o cinemark poderia melhorar isso aí), ou combo de pipoca e batata (Não é um manjar dos deuses, mas quando o herói está em guerra, come o que tiver, não é verdade?).

Mas um momento de muita conversa, até que as luzes se apagaram como de cinema, e na tela anunciava que os painéis iriam começar... O melhor estava por vir:

PAINEL DC COMICS



O primeiro painel trouxe gente de peso para falar sobre as motivações de brasileiros amarem tanto a DC Comics. Joe Prado e Ivan Reis, mais que trabalharam em Aquaman; Adriana Melo, que falou sobre a força das mulheres na DC; Robson Rocha, desenhista de Lanterna Verde; Marcio Takara, mais conhecido como quadrinista de Besouro Azul; e Ed Benes, que participou de vários títulos da DC.

O destaque nesse painel, com certeza foi à discussão sobre representatividade. Seja feminina, seja negra. Adriana Melo ressaltou bastante o quanto a personagem como Mulher-Maravilha é significativo nesse tema e ainda disse mais "Acertaram o conceito da personagem dos quadrinhos nesse filme". E ainda os responsáveis por Aquaman revelaram que parte o arco deles no quadrinhos estará presente no filme com estreia prevista para dezembro de 2018. (Uau)



PAINEL CARTOON NETWORK

O painel a seguir foi uma nostalgia pra nós que crescemos assistindo os desenhos da Cartoon, como Meninas Superpoderosas, Ben 10, Jhonny Bravo, Adventure Time, Steven e o Universo e por aí vai. E o bate papo rolou com Ian Jones-Quartey, criador de OK KO! LET´S BE HEROES. Ele falou um pouco da sua experiência no Cartoon e seu crescimento até ter a sua própria criação na grade da programação da emissora. Foi algo inspirador, especialmente para aqueles que desejam seguir o mundo dos quadrinhos. E o público ainda aproveitou para desenrolar perguntas para ele.

PAINEL WARNER BROS

Com certeza, um dos principais destaques da CCXP foi o painel da Warner, que trouxe bastante novidades. Fotos e videos não puderam ser feitos nesse momento, para que várias imagens não fossem vazadas. porém, teve muita coisa bacana nesse momento. Primeiro, a presença Tye Sheridan e Simon Pegg que falaram de suas experiências em gravar O Jogador Número 1. E também, Alicia Vikander, primeira vencedora de um oscar a pisar em um palco da CCXP em São Paulo. Alias, ela disse que foi a primeira grande convenção que participou e ficou bastante emocionada com a receptividade dos brasileiros (quem não ficaria?).


Mais tarde, foi a vez de assistir algumas novidades da Warner para 2018. Entre elas está: Rampage, Pé Pequeno, IT 2, A Freira e Animais Fantásticos e os Crimes de Grindewald (fiquei frustado que não teve um teaser), o filme já está confirmado para 15 de novembro de 2018.

Porém, o melhor ficou para o final, que foi a confirmação de vários filmes do Universo DC, entre eles: Mulher-Maravilha 2, Aquaman, Flashpoint, Liga da Justiça Sombria, Esquadrão Suicida 2, Batgirl, Shazam!, Tropa dos Lanternas Verdes e The Batman. As estreias deles estão previstas até 2021.

CIRCULANDO PELA FEIRA

Ao acabar o painel da Warner, foi a hora de conhecer os stands, e o que foi preparado para esse ano. Não sem filas bastante duradouras, especialmente para as atrações dos studios Warner, HBO, Netflix e Marvel/ Star Wars. Todos muito elaborados, com gincanas, brindes e espaços para tirar fotos. Porém muita gente, e com certeza para vivenciar a experiência era preciso muita paciência e tempo. Infelizmente, eu não tinha os dois e aproveitei ao meu modo. Acabei ganhando bastante posters...

CCXP02


Na feira também é lugar de encontrar bastante cosplayers. E tinha de tudo. Até aqueles desenhos que você nem imagina, como Festa no Céu (um dos meus desenhos favoritos, mas que achei que não fosse encontrar ninguém que amasse, como eu). Experiência única encontrar pessoas com os mesmos gostos que os seus. Melhor que internet, ouso a dizer (hehehe).

CCXP03

Outra coisa que a CCXP tem, que é um teste de resistência. É o lugares para comprar. Porém esse é um teste de resistência ao nosso bolso, ou ainda a habilidade de comprar muuito com pouco dinheiro. É dificil, mas nada que o parcelamento em mil vezes não ajude. Ou ainda esperar, o final da CCXP, para ouvir os locutores dos stands gritando. 50% de descontooooooo. Melhor coisa !!!

A área "Artists Alley" também é uma atração a parte, muita gente boa mostrando o seu material. Tem para todos os gostos. Seja por aqueles que gostam de traços com cara de quadrinho dos anos 90, ou ainda pessoas como eu, que gostam de artistas que tenham traços mais delicados e imersos a "fofura". Lá, é possível encontrar até ganhadores do prêmio Jabuti, como Gidalti Jr. Paraense que faturou o prêmio com Castanha-do-Pará. Ou ainda, quadrinhistas mais conhecidos, como Fábio Moon, Paulo Crumbrim e Cristina Eiko, os irmãos Caffagi e por aí vai.



Chegamos ao final da CCXP vivos e pronto para a próxima jornada que será em 2018. E com certeza essa ficará na memória de alguma forma. É um evento com muita gente, filas, empurra-empurra, chegar de madrugada, mas no fim, tudo compensa. Afinal de contas, seria épico se fosse fácil???

Comente com o Facebook