TAG: Mais Paraense de Todos

Com a proximidade do Círio de Nazaré, o blog reuniu duas paixões: O Pará e os Livros. Confira no que deu

outubro 02, 2017 - Postado Por: Francisco Neto
Compartilhe:

Com a proximidade do Círio de Nazaré, o blog reuniu duas paixões: O Pará e os Livros. Confira no que deu




Com a chegada do mês de outubro, o clima na cidade de Belém começa a mudar. A cidade fica cheia de pessoas e turistas. Famílias se reencontram. Dezenas de vendedores ambulantes ocupam a região da Av. Nazaré. O Centro ITA chega para animar a garotada. É quase impossível passar imune ao cheio de Maniçoba em algum ponto da cidade. É chegada a hora do "Natal dos paraenses", o Círio de Nazaré. Que no ano de 2017 chega a sua 225º edição.

Apesar de ser uma festividade católica. O círio de Nazaré está incrustado na cultura local. Pois é o momento em que fragmentos de tudo que é produzido no Estado chega a capital. As danças, produtos, culinária. A Fé é o coração da festividade, mas os braços e as pernas que a movimentam é a cultura. Até mesmo o profano, que ocorre em vários pontos da cidade.

Pensando nisso, nós do Sooda Blog criamos a Tag "Mais Paraense de Todos". Do qual a gente une alguns símbolos da cidade de Belém, com outra paixão que nós temos por aqui: Os livros. Então, confira as nossas respostas. E convidamos todos vocês a se tornarem paraenses por um post. Responda você também. Seja nas redes sociais, ou blog. O importante é espalhar um pouco da cultura paraense pela internet.

Imagem disponível do site Tripadvasor


MANIÇOBA - AQUELE LIVRO DE CAPA FEIA, MAS QUE TEM UMA HISTÓRIA MARAVILHOSA

Um dos principais pratos da cozinha paraense é a Maniçoba. Essa iguaria que tem origem indígena e que mais parece uma feijoada com maniva. Tem como ingredientes principais, a própria maniva que precisa ser cozida por 7 dias (já to sentindo o cheiro desde hoje aqui em casa), para retirar o ácido cianídrico (venenoso), e também carnes embutidos e defumados. Ao final de tudo, confesso que ela tem um aspecto feio, mas o sabor... "Chega a manteiga derrete".



Assim como a Maniçoba, alguns livros não tem uma capa atrativa, mas tem histórias que nos ganham de corpo e alma. Uma delas é Fúria Vermelha do autor Pierce Brown. Essa é uma das melhores distopias que li até hoje, porém, convenhamos. Eu nunca ia dizer que essa história teria um baita potencial pela capa. Mas ela me conquistou e muito. Resenha Completa.

Imagem disponível no site da Valeverde Turismo


CÍRIO - AQUELE LIVRO QUE É QUASE OBRIGATÓRIO A LER TODOS OS ANOS

Com origens, ainda no século XVIII, tudo começou quando o caboclo Plácido José de Souza encontrou a imagem de Nossa Senhora de Nazaré que insistia retornar ao ponto onde ela foi encontrada e lá ele criou uma capela que viria se tornar mais tarde a Basílica de Nazaré. Aos poucos o que era pequeno, se tornou uma procissão de quase 3 milhões de pessoas todos os anos. E mesmo os paraenses estão longe do estado, dão um jeito de vir para as suas famílias e celebrar mais um círio.



Essas histórias de retorno inspiraram a gente a criar nessa tag, um seção que indicasse aquela leitura tão importante que nos faz retornar a ela, quase todos os anos. E com certeza essa leitura é Extraordinário da autora R J Pálacio. Um livro extremamente tocante, que mostra uma criança com uma série de deformidades lidando com o bullying, de maneira a fazer todos nós como ser humanos crescermos. Inclusive esse ano lança a adaptação para o cinema dessa história.



VER-O-PESO - AQUELE LIVRO BEST SELLER QUE VOCÊ AMA

O nome vem de uma balança que existia próximo a baía do Guajará, para "ver-o-peso". Hoje a maior feira livre da América Latina, o Mercado do Ver-o-Peso é composto por um complexo, que contempla: o Mercado de Carne "Francisco Bolonha", o mercado de Peixe, a Feira do Açaí, além dos quiosques, onde é possível encontrar de tudo. Frutas regionais, polpas, ervas medicinais, roupas, calçados, artesanato, flores, e também realizar aquele almoço reforçado, tendo como prato principal o peixe frito ou charque com açaí.



E nesse clima popular pensamos em colocar aquele livro que vende "igual açaí em feira" e que nós amamos ter lido. E The Kiss of Deception da autora Mary E. Pearson foi o nosso verdadeiro amor nessa categoria. O livro passou mais de um ano na lista de mais vendido na Amazon. E também nas listas da Publish News e Veja. Se não o primeiro, os outros da trilogia. Mas também pudera. Com essa capa maravilhosa, e uma protagonista empoderada como a Lia. Era difícil não conquistar o coração dos brasileiros. E o meu. Resenha Completa Aqui.



FORTE DO PRESÉPIO - AQUELE LIVRO QUE REPRESENTA O SEU INICIO NO UNIVERSO LITERÁRIO

Em 1616 Francisco Caldeira Castelo Branco aporta em Belém do Pará, no ponto mais alto da cidade, depois de uma viagem que iniciou-se em São Luis no dia 25/12, com objetivo de colonizar e "proteger" a Amazônia de invasores (Tua acha que ele veio dá um abraço nos índios? Te manca, ora). Nesse ponto, Francisco fez um forte de madeira e chamou de "Forte de Presépio", que mais tarde virou "Forte do Castelo", porém com a reforma realizada nos anos 2000 ele retornou ao seu nome original. E a partir desse ponto, inicia-se o processo de colonização de Belém, com a criação das primeiras ruas, igrejas e por aí vai.



E inspirado nessa história, colocamos na tag, qual livro foi aquela obra que deu o start para o universo da literatura? E a minha primeira leitura, foi essa versão de "Os Miseráveis" do Victor Hugo. Fiquei tão tocado com essa história que fez eu querer enveredar para o campo dos livros, de boas histórias. Essa edição eu consegui durante uma Feira de Livros da Praça da República, em Belém do Pará e fiquei bastante emocionado quando eu vi de novo, depois de tantos anos.

Imagem disponível no site do Teatro da Paz


TEATRO DA PAZ - AQUELE LIVRO IMPONENTE NA SUA ESTANTE

Datado de 1872, o Teatro da Paz, inspirado em arquitetura italiana, foi uma das primeiras obras do período áureo da borracha, no qual a cidade de Belém teve um crescimento extraordinário (para as elites), se tornando uma das principais do Brasil. Para se ter uma ideia. A capital do estado do Grão-Pará (hoje só Pará), foi a primeira cidade brasileira a ter instalação elétrica e bondinho (Chique, heim). Porém, a economia da borracha sucumbiu e a cidade caiu no ostracismo econômico. Porém, marcas como o Teatro da Paz ainda estão fincadas aqui provando a importância do período para a capital paraense.



E na sua estante, qual livro marca a imponência da sua riqueza (hueheuheuehe)? Na minha tem dois, que só sai em casos extremos (tipo agora para tirar foto). E um deles foi Harry Potter e a Pedra Filosofal ilustrado. "Que livrão da porra". Vou guardar, como a marca dos meus meses economizando para ele chegar a minha estante (hehueheuehe).

Imagem disponível no Portal da UFPA


UFPA - AQUELE AUTOR PARAENSE QUE AJUDOU NA TUA FORMAÇÃO LITERÁRIA?

Completando 60 anos em 2017 a Universidade Federal do Pará é uma representação da formação superior na região amazônica. Sendo a maior universidade dos trópicos, a UFPA tem um campus que vale a pena visitar. Seja pela sua pesquisas e história, ou ainda pela natureza que por lá existe. Pôr-do-sol na beira da UFPA (melhor passeio).

Imagem disponível no Blog do Salomão Larêdo


E pensando na formação literária, esse senhorzinho, que tem uma cara de bonzinho, escreve, principalmente, sobre os mitos e lendas da região amazônica, esse é o Walcir Monteiro. Um dos livros dele "Visagens e Assombração de Belém", que faz muito sucesso entre os jovens, é uma catarse de nossas lendas. E com certeza depois de ler ele. Talvez nem seja tão lenda assim. Pois, a maneira como ele escreve, quase traz essa história para o espectro do real. E pode apostar, que se eu gosto de saborear a literatura é por causa dele.



BANDEIRA DO PARÁ - AQUELE LIVRO PARAENSE QUE VOCÊ AMA EXALTAR

Uma curiosidade. Você sabe que a bandeira brasileira, tem no circulo várias estrelas que representam cada estado (Não a logo do Governo Temer, a bandeira mesmo). Pois é, você sabia que a estrela que está isolada acima do Ordem e Progresso representa o Estado do Pará? (Chique né). E essa estrela também está no centro da bandeira do Pará, Que vamos e convenhamos, é uma das bandeira mais bonitas, não é verdade? (Só um pouquinho de bairrismo por aqui).



E um livro paraense que não vou cansar de exaltar, é Zon: O Rei do Nada do autor paraense Andrei Simôes. Isso porque, existe um preconceito incrustado nos autores paraenses, que eles escrevem somente sobre lendas, e mitos da Amazônia (o que não deveria ser ruim). E de certa forma eu tinha um pouco disso interseco em meus pensamentos. Porém, depois de ler esse livro que filosofa sobre a nossa existência, e não existência, pude perceber que estava muito enganado. E que existem muitos autores paraenses escrevendo temas amplos, assuntos universais e que vale a pena ser lido. (Resenha completa aqui)

Então é isso galera. Aproveitem mais para conhecer o Estado do Pará durante o Círio de Nazaré. Garanto que não irão se arrepender. Mais informações sobre o círio e símbolos, cultura e sua importância. Confira no site oficial que o Governo do Pará fez (clique aqui) E para programação religiosa, acesse o site oficial da arquidiocese (clique aqui).

E respondam a TAG nas redes sociais e/ou blog e marquem a gente !!!

Comente com o Facebook