Resenha: Tartarugas até Lá Embaixo - John Green

O tão esperado livro de retorno de John Green, com uma trajetória que nos leva a uma intensa discussão sobre TOC, medos e futuro de um jeito único, engraçado e ao mesmo tempo profundo

outubro 15, 2017 - Postado Por: Redação SOODA
Compartilhe:

O tão esperado livro de retorno de John Green, com uma trajetória que nos leva a uma intensa discussão sobre TOC, medos e futuro de um jeito único, engraçado e ao mesmo tempo profundo




CAMADA 1 - T.O.C. TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO, transtorno que assola pelo menos 3 a 4 milhões de pessoas em todo o Brasil e que as levam a pensamentos impulsivos, intrusos e indesejáveis. Podem atacar graus menores, que causam acentuada ansiedade , medo ou desconforto, interferindo nas atividades diárias. Porém em graus maiores, leva a pessoa desprender muito tempo em atividades inúteis, gastando às vezes 1 a 2/3 da sua vida, como lavar louça, organizar a casa, o qualquer outra atividade nessa perspectiva. (Saiba mais sobre TOC ). O transtorno tem tratamento, porém é muito demorado, o que leva a muitos indivíduos nessa situação a desistirem do tratamento. Aza Holmes a protagonistas de Tartarugas até la Embaixo tem TOC. John Green também.

CAMADA 2 - O Empresário de uma empreiteira some depois que a policia declara a sua prisão. A recompensa para quem achar o empresário é de R$ 100 mil dólares. Assim como no Brasil, nos Estados Unidos também é comum haver corrupção no mundo dos negócios. E mais, envolvendo os órgãos públicos (não é exclusividade de nosso país). Nessa camada que envolve a trama, John Green questiona os valores sociais nesse processo, tais como a presença de um pessoa como essa, ou a ausência total, o que vale mais a pena para aqueles que conviviam com ele?

CAMADA 3 - CONEXÕES HUMANAS, Em uma das discussões mais pertinentes do livro estão discussões filosóficas (de verdade, não empiricamente), sobre as relações humanas sobre si mesmo, e o outro. Inclusive, termos como hermenêutica é utilizada para dissertar sobre algumas questões do "eu", com muita propriedade. Durante a história é possível ver Aza Holmes se conectando consigo, com sua amiga, com sua mãe e com seu "namorado" de maneira distinta, mostrando que as relações humanas dependem de vários fatores internos e externos para serem construídas. (Sei que parece devaneio, mas ao ler a história tudo fica muito claro).

Essas três camadas se unem a diversas subtramas e assim nasce "Tartarugas Até Lá Embaixo", possivelmente o livro com maior profundidade e ensinamentos de John Green.



O plot centra-se em uma investigação, de duas adolescentes, Aza e Daisy, que estão em busca de um grande empresário que está fugindo da policia. O objetivo delas, não é tão nobre: Faturar os R$ 100 mil doláres. Mas ao seguir por esse caminho, elas encontram pontos importantes, que as fazem questionar o seu "eu", evoluindo consideravelmente depois da história.

Aza tem TOC, então frequentemente, a história que é narrada sobre seu ponto de vista, estamos imersos a sua mente, quase como quando o TOC aparece em sua mente. Sem avisar. Pensamentos incômodos, que ela sabe o quanto são errados, mas não consegue controla-los. Por vezes ele toma conta de sua mente e a leva por caminhos tortuosos. Alias, ela se questiona, como o TOC consegue segurar as rédeas de sua vida, de forma que ela mesmo não pode. Ela queria ter o direito de escolher o que fazer. Mas como? parece que nada funciona. Nem os remédios, nem as técnicas que sua psiquiatra sugere que ela faça. O tempo todo estamos nessa caminhada com ela, quase claustrofobica, porém com aquela leveza que John Green sabe carregar. Pensando bem, ao ler esse livro, estamos caminhando pela mente de Aza, ou do próprio John Green?

A amiga de Aza Holmes, Daisy, é o alivio cômico dessa história, carismática e compreensiva, percebe-se o quanto ela se esforça para que essa amizade dê certo. É tão bonito de se ver, quando uma pessoa está disposta, até de maneira altruísta para outra pessoa que possui um transtorno desse. Sabe-se que as vezes isso não é a realidade de muitos. Afinal o egoísmo toma conta de boa parte de nossas vidas. Além disso, Daisy consegue separar, mesmo que empiricamente o que é transtorno e o que de fato precisa ser melhorado para a manutenção dessa amizade. Sem contar que a personagem tem uma criatividade incrível e com isso acaba por escrever fanfics. A primeiro plano pode parecer estranha, mas tem um poder de nos conectar com a história, que é muito bacana.

Alias, não seria John Green se a história não estivesse cheia de elementos da cultura pop. Star Wars, Star Trek, até filmes b, como O Destino de Jupiter são citados aproximando o leitor mais jovem com o livro. Alias, um detalhe curioso é que o titulo do livro tem relação, justamente com a ideia louca de um dos maiores autores de fantasia da atualidade (vou parar por aqui para segurar o spoiler). Mas tudo vai fazer sentido quando vocês lerem essa história.



E não só de referências a cultura pop vive esse livro. Durante a história, John Green coloca elementos interessantes, como discussões sobre a existência e eternidade, e assim aparece também a Tuatara, um réptil pré-histórico que conhecemos um pouco mais durante a história. Caminhos que aparentemente não teriam relação, mas são bem relevantes nesse contexto, sem contar, interessante, engraçado, divertido. John Green deixa o texto dele bem leve, para que cada um aproveite a camada que quiser.

Outro personagem importante da obra é Davis, o filho do empresário, o qual Aza reencontrou, devido a sua investigação e que aos poucos teve uma relação relativamente conturbada, Especialmente, por causa da sua mente. Ele, além de trazer uma bagagem menos inconsequente para a história, tendo em vista que ele deveria cuidar do seu irmão, com o desaparecimento do pai, trouxe bastante referências de autores consagrados, como o próprio William Shakespeare, no qual frases e pensamentos das obras desse mestre se cruzavam com as dele de maneira tão bela, que dava gosto de ler.



A história não para por aí, além de todas as questões acima, Green questiona o ensino privado das universidades norte-americanas, os privilégios de determinadas classes sociais, mesmo que elas não reconheçam, além de outras discussões sociais, das quais ele tem um relativo background. Nada disso é esquecido em sua história, que foi perfeitamente desenhada com as palavras.

Ao terminar "Tartarugas até Lá Embaixo", ficamos meio: "Já Acabou Jéssica????", querendo muito mais. Porém, sabemos que as 256 páginas foram suficientes para contar o que ele se propõe nesse livro. Agora, é esperar o que vem por aí de John Green, orando para que ele não leve mais seis anos para nos entregar um livro como esse, nitidamente mais amadurecido, em relação as outras obras dele. Até mesmo, "A Culpa das Estrelas" que era considerado por muitos o melhor livro dele. E se vocês tinham dúvidas que John Green não poderia se superar depois do livro com um tema sobre o câncer, "Tartarugas Até lá Embaixo" chega para provar que ele pode muito mais.

FICARAM INTERESSADOS? ADQUIRA O LIVRO CLICANDO NA CAPA ACIMA, E AJUDE ESSE BLOG A CRESCER !!!
Tartarugas até Lá Embaixo (Turtle all the way down)
Autor: John Green
Editora: Intrinseca
Ano: 2017
Skoob: 4,4 Estrelas / Goodreads: 4,39 Estrelas
Compre Aqui
05 Estrelas
A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto tenta lidar com o próprio transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, distúrbio mental que o afeta desde a infância –, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses.
Autor: John Green é um dos autores mais vendidos em todo mundo, com mais de 50 milhões de títulos. É considerado um dos principais autores do Gênero YA, sendo o responsável por colocar o gênero em mainstream, dando oportunidade para que leitores nessa idade se identificassem com essas obras. A Culpa das Estrelas foi o seu livro mais vendido. E ele lança agora Tartarugas até lá Embaixo, depois de 6 anos do seu último lançamento !!!

Comente com o Facebook